Texto Paulo Atzingen - Fotos: Renato Borges A capital do Brasil emociona por seus espaços. Vivo, vivemos, exatamente a era em que um dos maiores sonhos arquitetônicos e urbanistas do planeta foi criado, no entanto não sou, não somos contemporâneos de um sonho de cidade, muito menos de país. Somos contemporâneos de um pesadelo, ou de um esboço de nação....
As letras deste cearense que acaba de morrer no Rio Grande do Sul tatuaram a fronte de muitos jovens na década de 70 e 80. A minha foi uma. Enquanto amigos do interior se embebedavam de música country piegas e os da cidade de Roberto Carlos com sua Jovem Guarda, eu ia pela tangente, pois não era nem da roça...

A palma do olhar

A miséria rural é mais leve que a miséria urbana, constata Sarges em suas andanças. Se nos confins de meu Deus, onde o canto do nambu e a dança dos babaçus isolados na capoeira comprovam a solidão do homem do sertão, na urbe o turista encarnado tem certeza de que a cuia com água limpa, a lata de farinha...

Camaleão Venenoso

Esta seriedade de deputado remetia-o a um tempo de bigodes e negócios escusos e que cheiravam a pus, mas o tom desse verde – leia-se corrupção passiva - te facultava inocência.  Tua disciplina e rigidez nos discursos na tribuna municipal te levaram a Brasília mas deixara por onde passara o rastro de um camaleão venenoso.Sua lavanderia e sua evasão...

Como em Eclesiastes

A seiva circula por entre os ramos e cria uma película de asa de mariposa - arranca o sal da terra com músculo de planta e entrega ao teu olhar multiplicadas impressões vegetais. A madeira dá filhos em pétalas, em troncos e em flor, uns hermafroditos, outros com toc. E à medida que o vegetal cresce e expande-se para...