Essa grandeza de um povo no exercício de sua mais alta expressão criativa brilha sob o sol de Copacabana (Foto: Paulo Atzingen)

O espírito alegre do carioca está impregnado nas manhãs da praia de Copacabana. E graças a Deus essa alegria não é  lavada pelo mar da corrupção, do suborno e da violência que avançou sobre a areia, calçada e asfalto.

 

Essa alegria é injetada também na veia de quem chega à cidade com uma taxa de descrença acima do natural,  acrescida de coisinhas miúdas do mundo corporativo como e-mails, boletos e códigos de barra.

 

Mas essa dose de alegria para circular direito na veia é preciso caminhar e sentir a areia entrando entre os dedos, esparramar-se na cadeira e ter o sol a acariciar o rosto, sentir a brisa enfiando-se pela narina e por fim, ouvir o coração pulsar.

 

O mundo do descanso, da sombra e água fresca é completada pelos vendedores de queijo assado, caipirinha, cangas, água de coco, manjubinha frita e colares de búzios.

 

Essa festa do trabalho,  intercalada de mantras populares, cantos improvisados e toda forma de se vender o peixe é o que faz Copacabana ser ela, independente do governo que tem.

 

Essa festa do trabalho, intercalada de mantras populares, cantos improvisados e toda forma de se vender o peixe é o que faz Copacabana ser ela, independente do governo que tem.

 

A alegria da praia nem mesmo é interrompida quando grãos de areia voam contra meu rosto vindos da toalha da moça ao lado, que acaba de ir embora.

 

A alegria da praia chega ao seu êxtase quando um grupo de três artistas, sambistas  (profissionais? amadores?) surge do nada e o espírito mais autêntico do país entra pelos ouvidos em forma de samba enredo. Trazem para o  limiar da terra e do mar uma letra antiga da Beija-Flor de Nilopolis.

 

Essa grandeza de um povo no exercício de sua mais alta expressão criativa brilha sob o sol de Copacabana e à frente de uma construção de concreto armado superfaturada e inacabada. Este concreto durará algumas dezenas de anos até desintegrar-se por si mesmo levando com ele o nome de seu construtor e de seu governador.  Mas a música,  o samba carioca sobreviverá a tudo. Rouba-se dinheiro no Rio, mas não se rouba o talento.

 

Amanhece. O levantar de guarda-sois na praia de Copacabana traz com ele a esperança de um novo Rio de Janeiro e uma esperança suprema: a de que a justiça vença a iniquidade, que a honestidade estrangule o suborno e que a alegria do carioca – esse ser essencial e generoso que trabalha sob o sol – sobreviva diante desse mar turvo e corrompido.

Que a alegria do carioca – esse ser essencial e generoso que trabalha sob o sol – sobreviva diante desse mar turvo e corrompido

Junho de 2017

Compartilhe:

DEIXE UMA RESPOSTA